Sobre o Município
Bandeira do Município
Bandeira Municipal - Lei Municipal n.¬ļ 131/1992 - Cria√ß√£o Cleber Pasqualotti
Brasão do Município
Institu√≠do pela Lei Municipal n.¬ļ 131/1992 - Cria√ß√£o de F√°bio Cesar Pinheiro Conte
Colonizadores
Os primeiros habitantes que se instalaram nesta região, foram os açorianos, por volta de 1800. José Francisco de Almeida foi um dos primeiros a chegar com sua família. Cerca de 120 anos depois chegaram os primeiros italianos e anos depois os castelhanos, representados pela Família Vedoy.
Chegando, encontraram uma região montanhosa, coberta por mata virgem e um relevo abrupto, com profundos vales. O distrito pertenceu a Vila Fão até 1920 e ao distrito de Progresso até 1949, e, a partir deste ano passou a pertencer ao município de Lajeado até sua independência político-administrativa em 1987.
Emancipação
A busca por tornar-se independente de Lajeado começou em 1982, quando houve a primeira tentativa de emancipação, a qual não foi a a, mas as lideranças comunitárias e o povo não desanimaram e o sonho veio a se realizar 6 anos depois.
O plebiscito realizado no dia 20 de setembro de 1987, foi favor√°vel √† Emancipa√ß√£o, onde 2.901 dos 3.632 eleitores votaram pelo SIM, tornando o genu√≠no distrito, um munic√≠pio, consagrado pela Lei Estadual n¬ļ 8.458, de 8 de Dezembro de 1987, com a primeira Administra√ß√£o Pol√≠tica empossada em 1¬ļ de Janeiro de 1989, Boqueir√£o do Le√£o, come√ßou a caminhar com as pr√≥prias pernas.
Hino - Letra: F√°bio Luiz Fabris; M√ļsica Ant√īnio Dalberto Ferreira

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player










Nos campos altos da serra
Lindas matas e bom ch√£o,
Povo ordeiro e honesto
Cultivando a tradição.
√Č a terra do fumo,
Do milho e do pinh√£o,

E este lugar que vos falo
√Č o Boqueir√£o do Le√£o.

Chegando nesta cidade
J√° se tem boa impress√£o,
Pinhais, açudes e rios
Livres de poluição.
Onde tem ga√ļchas bonitas,
Erva- mate e o chimarr√£o,

E este lugar que vos falo
√Č o Boqueir√£o do Le√£o.

Onde se cultiva o fumo,
O arroz e o feij√£o,
Onde se planta o milho
E a erva pro chimarr√£o.
Das matas sai a madeira
E ainda sobra o pinh√£o

E este lugar que vos falo
√Č o Boqueir√£o do Le√£o.

Falando um pouquinho dele
Me encho de emoção,
Quero voltar pra minha terra,
Quero voltar pro meu ch√£o.
Quero encontrar meus amigos,
Quero encontrar meus irm√£os

E este lugar que vos falo
√Č o Boqueir√£o do Le√£o.